O que são os fórceps odontológicos e quais as suas indicações

O que são os fórceps odontológicos e quais as suas indicações?

O uso de fórceps odontológicos, em conjunto com as alavancas, nos procedimentos cirúrgicos é considerado a peça chave para o sucesso de qualquer exodontia. Afinal, eles em conjunto atuam para que o elemento dentário consiga, em segurança, se deslocar por dentro do alvéolo e ser removido de acordo com a técnica empregada – seja ela uma exodontia fechada ou, então, a retalho.

Para que os procedimentos cirúrgicos sejam feitos da forma correta e mais segura possível, conhecer os modelos de fórceps, assim como suas indicações e os movimentos realizados por eles se torna fundamental. Não só isso, como também é um conhecimento importante para a prova da residência – por isso, acompanhe nosso artigo e saiba mais sobre as indicações desse tão importante instrumental!

O que é são os fórceps odontológicos?

Por definição, dentro da odontologia e da cirurgia bucomaxilofacial, os fórceps odontológicos são instrumentais utilizados no dia a dia do cirurgião dentista para a exodontia, ou seja, para a remoção dos elementos dentários de seus alvéolos. Cada um desses instrumentos apresenta uma anatomia diferenciada, voltada para os grupos de dentes específicos de acordo com a sua ponta ativa.

O que é são os fórceps odontológicos
Fonte/Reprodução: original

Para isso, cada fórceps apresenta uma numeração específica e sua respectiva indicação, que seguem a anatomia do instrumental para se adequar ao elemento dentário ou ao resto radicular indicado para a extração. Com a sua estrutura, o instrumental se encaixa perfeitamente ao longo da região apical do dente ou da raiz e, por meio dos movimentos corretos, realiza sua extração.

Qual a função dos fórceps na Exodontia?

Nos procedimentos cirúrgicos para a extração dos elementos dentários, os fórceps são utilizados em conjunto com as alavancas e tem como principal função realizar a luxação do dente e expandir as paredes do alvéolo por meio de seus movimentos. Junto a isso, os instrumentais também são responsáveis por provocarem o rompimento do ligamento periodontal, responsável por sustentar o elemento em seu alvéolo.

De forma resumida, os fórceps são utilizados para realizar a expansão óssea do alvéolo e remover o dente do osso. Ou seja, tanto esses instrumentais como, também, as tão famosas alavancas são peças-chave para se realizar uma exodontia de excelência, afinal, são responsáveis pelas etapas principais do procedimento cirúrgico e para que, então, ocorra a retirada do dente.

E, diante disso, que tal relembrarmos as etapas de uma exodontia? Em um procedimento cirúrgico para a extração dentária, certas etapas são realizadas para garantir uma extração segura. O primeiro passo é fazer a anestesia local, na região que será trabalhada e de acordo com a técnica que se adequa a região. 

Depois disso, o retalho – em alguns casos -, ou, então, o descolamento dos tecidos presentes ao redor do dente para que os instrumentais entrem com maior facilidade na área. Com isso, chega a hora das alavancas e dos fórceps, utilizados para luxar e remover o dente. Por fim, realizamos os devidos cuidados com o alvéolo, que envolvem sutura, alveoloplastia e irrigação com solução salina estéril.

Movimentos dos fórceps na Exodontia

Para que se faça a expansão do alvéolo, o rompimento de todas as fibras do ligamento periodontal e uma remoção segura do elemento dentário, é necessário realizar movimentos específicos. No total, são 5 movimentos, feitos em sequência para evitar quaisquer complicações, como uma fratura coronária ou radicular, por exemplo.

O primeiro movimento é chamado de pressão apical. Com o correto descolamento dos tecidos gengivais ao redor do dente, a ponta ativa dos fórceps poderá ser posicionada o mais apicalmente possível ao redor do dente. Logo, o instrumental deve estar posicionado em sentido apical, o máximo possível, realizando essa pressão com o objetivo de expandir o osso alveolar e rotacionar o elemento em sua posição apical.

Com isso, todo o centro de rotação do dente será transferido para a porção apical do dente e se evita quaisquer fraturas radiculares e, em sequência, se fazem os movimentos de lateralidade. O primeiro deles é a pressão vestibular, cujo fórceps é levado para a face vestibular e expande sua crista óssea e, logo após, se faz a pressão lingual, com o mesmo objetivo de expandir a cortical óssea – dessa vez a lingual ou a palatina.

O movimento conhecido por pressão rotacional, no entanto, é feito apenas para dentes que apresentam uma raiz e que seja cônica. Com isso, ocorre a expansão e o rompimento de todas as fibras do ligamento periodontal. Por fim, se realiza a pressão de tração, similar a avulsão, na qual se remove o dente do seu respectivo alvéolo.

Tipos de fórceps e suas indicações

Para que os movimentos citados acima sejam devidamente realizados, os fórceps possuem uma anatomia própria indicada para cada grupo de elementos dentários. Sua estrutura é idealizada com o objetivo de, quando posicionado apicalmente, consiga se encaixar no elemento ou no resto radicular e realizar sua remoção de forma segura. 

Tipos de fórceps e suas indicações
Fonte/Reprodução: original

Sua identificação é feita a partir de uma numeração específica, cada uma com sua indicação cirúrgica – assim como as alavancas, que possuem diferentes arquiteturas e indicações. Com isso, os principais tipos de fórceps são:

  • 150: Incisivos, caninos e pré-molares superiores;
  • 151: Incisivos, caninos e pré-molares inferiores;
  • 18L: Molares superiores esquerdo;
  • 18R: Molares superiores direito;
  • 17: Molares inferiores;
  • 69: Restos radiculares;
  • 16: chamado também de chifre de boi, molares com extensa destruição coronária;
  • 87: chifre de vaca, para molares.

Cada um desses fórceps tem sua respectiva indicação e deve ser utilizado de acordo com tal para evitar complicações durante o procedimento, como fraturas dentárias ou ósseas. Com isso, reconhecer cada uma delas se torna de grande importância para prosseguir com uma cirurgia segura.

Os fórceps são instrumentos amplamente utilizados na cirurgia bucomaxilofacial, presentes diariamente para a realização de exodontias simples ou complexas. Junto com as alavancas, são peças primordiais para a extração dentária, cujo conhecimento e cuidados se tornam essenciais para a rotina do cirurgião bucomaxilofacial.