A importância da anamnese odontológica na Cirurgia Bucomaxilofacial

A importância da anamnese odontológica na Cirurgia Bucomaxilofacial

Uma anamnese odontológica completa e totalmente detalhada é fundamental para quaisquer procedimentos na odontologia. Portanto, é claro que, dentro da Cirurgia Bucomaxilofacial, isso não seria diferente.

Construir uma anamnese com todas as informações a respeito do paciente é essencial para, não só, construir uma relação comunicativa e bem estruturada com ele, como para reunir esses dados e realizar o correto diagnóstico. Dessa forma, é possível conduzir um tratamento satisfatório e sem nenhuma complicação em seu caminho.

E não é só por isso que a anamnese odontológica é definida como a base para qualquer tratamento. Além disso, ela constitui um dos documentos mais importantes para a clínica odontológica, uma vez que evita situações graves em consultório, como reações alérgicas aos materiais utilizados, a medicamentos ou a doenças sistêmicas já estabelecidas previamente.

Conhecer cada característica do paciente é fundamental dentro da prática clínica, afinal, é isso que conduz a cirurgia oral e maxilofacial aos bons resultados. Então, saiba como construir uma boa anamnese e a sua importância dentro da Cirurgia Bucomaxilofacial e da Odontologia, de uma forma geral!

O que é a anamnese odontológica?

Uma anamnese odontológica pode ser definida como um documento ou uma ficha que contém todas as informações relevantes sobre o paciente para o sucesso do tratamento ambulatorial ou cirúrgico.

Nele, deve-se responder perguntas em relação às características do paciente, como estado de saúde, alergias, hábitos da rotina, medicamentos de uso contínuo, dentre outros dados relevantes.

O que é a anamnese odontológica
Fonte/Reprodução: original

Todo esse levantamento de informações é realizado durante a primeira consulta, em um diálogo do paciente com o cirurgião responsável pelo seu atendimento. Nele, é importante conter informações fundamentais para o devido tratamento e diagnóstico do paciente, pois, é uma peça fundamental para que se construa uma boa comunicação e diálogo entre os dois lados.

Ou seja, uma anamnese odontológica é mais do que um documento informativo a respeito do paciente: é a chave para o mesmo ter confiança, credibilidade e se sentir seguro com o profissional. Seja para revelar informações a respeito da sua saúde ou mesmo para confiar no tratamento por si só.

Para que serve a anamnese odontológica?

A função da anamnese odontológica, por mais que pareça simples, representa um grande valor dentro, não só da Odontologia e da Cirurgia Bucomaxilofacial, mas também em todas as áreas da Medicina. Ela possibilita coletar e armazenar informações referentes ao histórico médico do paciente, o que é de suma importância para seu correto tratamento.

Assim, é nessa ficha que será possível encontrar dados fornecidos pelo próprio paciente, essenciais e relevantes para o bom andamento do procedimento que será realizado. A anamnese, no fim, se trata de um documento que sempre deverá ser atualizado e mantido arquivado para eventuais consultas.

Itens que devem compor a anamnese odontológica

De uma forma geral, uma boa anamnese odontológica deve seguir um roteiro de perguntas pré-estabelecidas, de forma que consiga englobar todas as informações desejadas pelo cirurgião dentista. Há duas formas de se obter essas respostas: através da anamnese aberta ou da fechada.

As duas seguem como base uma forma de se ter essas respostas, entretanto, a aberta permite que o paciente as desenvolva de forma mais detalhada, explicando cada uma delas e levantando pontos importantes sobre si.

Já na segunda, a resposta se resume ao “sim” ou “não”, o que não é nada atrativo. Independente do tipo, os itens que devem estar na anamnese odontológica são:

  • Dados pessoais do paciente, como: nome completo, endereço, telefone, profissão, naturalidade, estado civil e dentre outros;
  • Queixa principal, relatando o motivo pelo qual o paciente foi se consultar;
  • História da doença atual, sobre quando a queixa principal se iniciou, quais medidas (farmacológicas ou não) foram tomadas para interromper, dentre outras informações relacionadas;
  • Histórico médico, que envolve comorbidades que o paciente possa ter (como hipertensão arterial ou diabetes mellitus), medicamentos de uso crônico, cirurgias já realizadas anteriormente, alergia a substâncias ou internações realizadas;
  • Histórico familiar, ou seja, quaisquer informações relacionadas aos seus familiares, por exemplo, doenças;
  • Hábitos ou vícios, como consumo de drogas ilícitas, tabagismo, etilismo, roer as unhas e outros exemplos.

Com todas essas informações, é possível conhecer bem o paciente e saber sobre as possíveis complicações que um procedimento cirúrgico pode ter. Assim como todos os cuidados que devem ser tomados durante a sua realização.

Importância da anamnese odontológica na Bucomaxilofacial

Com tudo isso, já deu para notar que a anamnese odontológica é essencial para o bom andamento dos procedimentos na Odontologia, não é mesmo? Na Cirurgia Bucomaxilofacial, não é diferente.

Quando uma boa anamnese odontológica é feita antes do procedimento, não só se estabelece uma comunicação confiável e saudável entre o paciente e o cirurgião, como se fortalece todo o processo de diagnóstico da “queixa principal”. Além disso, com as informações coletadas, também é possível evitar quaisquer complicações no momento transoperatório.

Sabe-se atualmente que muitas intercorrências transoperatórias acontecem devido a falhas na anamnese odontológica. Sejam elas causadas pelo próprio cirurgião que esqueceu de coletar alguma informação, ou então pelo próprio paciente que omitiu algo importante.

Por isso, a correta realização da anamnese odontológica é fundamental para evitar quaisquer erros com complicações futuras.

Ou seja, a anamnese é necessária para a Cirurgia Bucomaxilofacial em três principais pontos: melhorar a relação entre o paciente e o cirurgião, garantir que o procedimento cirúrgico ocorra sem nenhuma complicação e para a segurança do profissional. Uma vez que o mesmo terá como provar, caso necessário, que as informações ali contidas foram fornecidas pelo paciente.

Como estruturar uma boa anamnese

A anamnese odontológica deve ter início antes mesmo do paciente estar no equipo ou na sala do consultório. É necessário ter uma boa observação a respeito do paciente, sobre a idade aparente, hábitos enquanto o mesmo anda, se rói ou não as unhas, dentre outros detalhes que podem indicar sobre questões relevantes sobre sua vida e seus comportamentos diários.

Há algumas formas de estruturar bem uma anamnese odontológica, abordando todas as perguntas necessárias para se ter as informações desejadas. Após conhecer o paciente e cumprimentá-lo, já é possível dialogar e conseguir suas informações pessoais como nome completo, endereço, profissão e estado civil. Tudo com uma linguagem simples e bem amigável.

Como estruturar uma boa anamnese
Fonte/Reprodução: original

É importante manter uma escuta ativa e sempre estar atento ao que o paciente deseja transmitir para você. Procure sempre saber mais sobre os detalhes de sua queixa principal, como se há dor ou não, qual a intensidade dela, dentre outros tópicos.

Investigue também o histórico médico do seu paciente, ou seja, se há alguma comorbidade ou não, quais medicamentos ele faz uso (com foco nos anticoagulantes ou antiplaquetários, imunossupressores, anticonvulsivantes e bifosfonatos). Além disso, verifique se houve cirurgias anteriores e alguma complicação relacionada a elas, assim como outros fatores associados.

Saber sobre seu histórico odontológico também é necessário. Então, procure investigar a última ida ao dentista, os procedimentos orais previamente realizados e como é a saúde bucal do paciente.

Manter uma abordagem amigável, aberta ao diálogo e investigativa é fundamental para estruturar uma boa anamnese odontológica, assim como para estabelecer uma relação adequada com o paciente.

Principais erros de anamnese e como evitá-los

Há alguns pontos relevantes e suscetíveis facilmente ao erro, que devem ser evitados e cuidados com atenção redobrada. Esses dados devem estar devidamente registrados na anamnese odontológica, para evitar quaisquer erros em procedimentos futuros, sendo eles:

  • Histórico de alergia do paciente;
  • Medicamentos em uso crônico;
  • Não aferir a pressão arterial e a glicemia do paciente;
  • Histórico familiar.

Muitas vezes, esses pontos específicos são ignorados e podem ser responsáveis por maiores complicações ao longo da cirurgia e do tratamento odontológico. Por isso, se atentar a eles é fundamental para o bom andamento da consulta.

A anamnese odontológica é importante para o dia a dia de qualquer especialidade na Odontologia. Por isso, deve ser realizada com bastante calma, atenção e cuidado por parte do profissional.